Após almoço com Trump, senador afirma que DACA e TPS podem ser trocados por muro na fronteira

WASHINGTON – O senador Lindsey Graham afirmou após um almoço com o presidente Donald Trump neste domingo, 30, que não haverá acordo para reabrir o governo sem o financiamento do muro na fronteira sul dos Estados Unidos.

Entretanto, o republicano da Carolina do Sul disse que Trump está disposto a negociar a preservação do DACA e a manutenção do Status de Proteção Temporária (TPS) em troca de US$5,7 bilhões para construir a barreira na divisa com o México.

O governo dos EUA entra no 10º dia de paralisação após a maioria Senado se recusar a aprovar o plano orçamentário com a previsão do gasto para a barreira na fronteira.
Graham garantiu que o presidente concorda em rever o Bridge Act, um projeto de lei do senador com o colega democrata Dick Durbin que mantém os benefícios do programa Deferred Action for Childhood Arrivals (DACA) que concede autorização temporária para morar, trabalhar e dirigir nos EUA aos que entraram no país de forma ilegal antes de completar 16 anos até 15 de janeiro de 2012, mas descarta a legalização nos EUA.

Embora Trump tenha anulado o DACA em 2017, uma decisão judicial mantém a ordem executiva do antecessor democrata Barack Obama que ampara cerca de 750 mil jovens há mais de cinco anos.

Graham disse ainda que Trump prometeu repensar sobre o fim do TPS, que também segue em vigor graças ao veredito de um juiz federal que impediu a deportação de pelo menos 300 mil nacionais de El Salvador, Honduras, Haiti, Nicarágua e Sudão que vivem no país sob o benefício dado a estrangeiros provenientes de países que enfrentam conflitos armados, desastres naturais ou outras condições “extraordinárias”.

Graham admitiu que o impasse está longe de acabar, mas que negociações desse tipo podem convencer os democratas a liberar dinheiro para finalizar a “cerca na fronteira com o México”.