Russo morre e eleva para 11 o número de óbitos sob custódia da ICE em 2018

TACOMA – Um russo morreu sob custódia do governo dos Estados Unidos nesse fim de semana e totaliza o 11º óbito em um presídio de Imigração nos Estados Unidos esse ano.
Segundo a Polícia de Imigração (ICE), Mergensana Amar, 40, foi encontrado inconsciente no dia 15 de novembro no Northwest Detention Center (NDC) e foi levado às pressas para o Saint Joseph’s Medical Center em Tacoma, no Texas.

Amar foi mantido vivo através de aparelhos até sábado, 24, mas o relatório médico indica a sua morte cerebral no dia 18 de novembro causada por asfixia.

A NWDC Resistence, uma organização que luta pelo fim das deportações, questiona o atestado do hospital e pede uma investigação independente porque Amar estava em greve de fome há 86 dias e foi confinado em uma solitária.

O preso tinha feito uma greve de fome em setembro, mas os médicos da ICE alegam que Amar havia voltado a comer no dia 19 daquele mês estava em boas condições de saúde.

“Não comunicamos o fim da greve de fome porque o detento ameaçou parar de comer novamente se a informação viesse à público”, disse a ICE em nota.

As autoridades garantem que Amar teve toda a assistência de saúde por quase 12 meses que esteve preso. Segundo a agência, mais de US$250 milhões são gastos por ano com triagem e cuidados médicos, mentais e dentários com detidos de Imigração.

De acordo com a ICE, Amar foi detido ao entrar nos EUA sem a documentação necessária. O russo tentava um pedido de asilo político, A ordem final de expulsão do russo foi emitida pela Justiça federal em 5 de novembro e seria deportado até o fim desse mês.

Segundo a Associação Americana de Advogados (AILA), 11 estrangeiros morreram sob custódia da ICE desde janeiro de 2018 com base em comunicados do órgão federal.