Papa e Abbas debatem Jerusalém em 1º encontro após mudança da embaixada dos EUA

(Efe)

CIDADE DO VATICANO – O Vaticano expressou preocupação a respeito do status de Jerusalém nesta segunda-feira, 3, quando o papa Francisco e o presidente palestino, Mahmoud Abbas, fizeram sua primeira reunião desde que os Estados Unidos provocaram apreensão internacional transferindo sua embaixada para esta cidade.

Os dois se abraçaram e beijaram quando o pontífice recebeu Abbas na biblioteca do Palácio Apostólico do Vaticano para uma conversa particular de 20 minutos.
“Uma atenção particular foi reservada para o status de Jerusalém, sublinhando a importância de reconhecer e preservar sua identidade e o valor universal da cidade sagrada para as três religiões abraâmicas”, disse um comunicado do Vaticano, referindo-se ao cristianismo, ao judaísmo e ao islamismo.
O presidente dos EUA, Donald Trump, revoltou o mundo árabe no ano passado ao reverter uma diretriz de décadas reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel e instalando ali a embaixada de Washington, que foi inaugurada em maio.
Patrocinado

Contando com amplo respaldo internacional, os palestinos querem Jerusalém Oriental como capital de um futuro Estado independente, enquanto Israel vê a totalidade da cidade como sua capital “eterna e indivisível”.

No ano passado o Vaticano demonstrou preocupação com a medida de Trump, dizendo que o “status quo” da cidade deveria ser respeitado. Francisco pediu que todos obedeçam as resoluções da Organização das Nações Unidas (ONU) a respeito de Jerusalém.

A agência de notícias oficial palestina Wafa relatou que Abbas inteirou o papa “das implicações da decisão dos EUA”.

Quando deixava a biblioteca, Abbas disse ao papa: “Estamos contando com você” – mas não ficou claro ao que se referia.

O Vaticano apoia uma solução de dois Estados para o conflito israelo-palestino, por meio da qual os dois lados combinariam o status de Jerusalém como parte do processo de paz.

O comunicado informou que Abbas e Francisco também debateram esforços para retomar o processo de paz israelo-palestino e que torcem por “um comprometimento renovado da parte da comunidade internacional para alcançar as aspirações legítimas dos dois povos”.

Eles também clamaram pelo fim do “extremismo e fundamentalismo” no Oriente Médio e pediram uma reconciliação entre as facções palestinas. O partido Fatah de Abbas é predominante na Cisjordânia, e o grupo islâmico Hamas controla Gaza.