Número de acidentes e de vítimas no setor aéreo subiu em 2018

Bombeiros e agentes trabalham em meio a destroços da aeronave caída em Havana em maio (Foto: Reuters)

KATMANDU – O ano de 2018 registrou 15 acidentes fatais envolvendo aviões de passageiros, que deixaram 556 mortos ao redor do mundo, números que apontam uma forte alta em relação ao registro anterior – informou a Aviation Safety Network (ASN), associação especializada nesse tipo de tragédia.

Três dos 15 aviões acidentados pertenciam a companhias que estão na lista negra da União Europeia, aponta a ASN, em um comunicado divulgado na terça-feira, 1º.

Houve cerca de 37,8 milhões de voos em 2018, o que leva a uma média de um acidente fatal de avião a cada 2,54 milhões de voos.

O ano de 2017 foi o mais seguro para o transporte aéreo mundial desde 1946 e desde o início da coleta de informações sobre acidentes na aviação. Foram dez acidentes com aeronaves de passageiros e 44 mortos.

Os dados de 2018 fazem deste ano o terceiro mais seguro de todos os tempos no número de acidentes fatais, e o nono, no número de vítimas, de acordo com a ASN.

“Isso demonstra os enormes avanços realizados em matéria de segurança”, declarou o diretor da ASN, Harro Ranter, citado no comunicado.

Os acidentes com perda de controle continuam sendo “um problema de segurança maior”, porque este tipo de acidente é responsável por pelo menos dez dos 25 acidentes mais graves nos últimos cinco anos, destacou a ASN.

Em outubro, um Boeing 737 da companhia Lion Air caiu frente à costa indonésia, com 189 pessoas a bordo. Em maio, em Cuba, um Boeing 737-200 operado pela companhia Cubana de Aviación usado pela mexicana Global Air caiu perto do aeroporto de Havana, deixando 112 mortos.

Em março, um avião da companhia de Bangladesh US-Bangla Airlines caiu próximo ao aeroporto de Katmandu, no Nepal. Nele, 51 pessoas morreram.

Um avião da companhia Saratov Airlines se acidentou pouco depois de decolar, em Moscou, matando os 65 passageiros e seis membros da tripulação. Nesse mesmo mês, um aparelho da companhia iraniana Aseman Airlines caiu no Irã. Os 66 passageiros e membros da tripulação morreram.

Com sede em Haia, a ASN faz parte da Flight Safety Foundation, uma associação sem fins lucrativos que trabalha, desde 1947, para melhorar a segurança no transporte aéreo.