EUA prenderam menos imigrantes irregulares na gestão Trump do que no primeiro mandato de Obama

Serviço de Imigração e Alfândegas durante operação contra imigração ilegal nos EUA (Foto: AP)

NOVA YORK –  As detenções de imigrantes irregulares nos Estados Unidos durante o governo do presidente Donald Trump se estabilizaram nos últimos meses e representam a metade da quantidade que era registrada há cinco anos, quando o país era governado por Barack Obama, segundo revelou um estudo divulgado nesta terça-feira, 12,  pela Universidade de Syracuse, em Nova York.

Em comparação aos dois últimos anos do governo anterior, as detenções realizadas pela Polícia de Imigração (ICE) são maiores, mas somente a metade dos níveis registrados há cinco anos, informou o departamento que fez o levantamento na universidade, o Transactional Records Access Clearinghouse (TRAC).

Naquela época existia o programa Comunidades Seguras, que em seis anos expulsou mais de 250 mil pessoas do país. Isso fez com que Obama passasse a ser chamado por grupos de ativistas pró-imigrantes como “deportador chefe”.

Os dados analisados indicam que, depois que Trump assumiu a presidência, as detenções do ICE foram em média de 13.318 por mês, entre fevereiro e setembro de 2017.

Isto representou um aumento significativo se comparado aos anos de 2015 e 2016, quando o governo de Obama substituiu o Comunidades Seguras pelo Programa de Execução Prioritária (PEP), que teria como foco deportar “criminosos e não famílias”.

No entanto, de acordo com o TRAC, as detenções do governo Trump estão muito abaixo das efetuadas nos anos de Obama, quando chegaram a ficar em 25.473 por mês entre os anos de 2008 e 2012.

Com o Comunidades Seguras que Trump reimplantou, agentes da ICE analisam as impressões digitais de imigrantes não regularizados detidos para solicitar que sejam detidos por juízes e promotores.

Ao examinar os tipos de detenção feitas atualmente, o TRAC afirmou que sete de cada dez são casos nos quais o ICE assume a custódia de indivíduos que já estão a cargo de outra agência policial.

Este nível mudou pouco desde outubro de 2014, no final do Comunidades Seguras, apesar das pressões do governo federal contra as “cidades santuário”, para que cidades, condados e estados contribuam mais com as atividades de imigração.

No entanto, isto pode mudar com as “detenções comunitárias”, ao criar novas diretrizes para que os agentes detenham qualquer pessoa que encontrem pelo caminho em inspeções, de acordo com o TRAC.