Doze empresas de NY aderem a programa federal para verificar status migratório de funcionários

(Foto: ICE divulgação)

NOVA YORK – Doze companhias, entre elas cinco franquias da 7-Eleven, de Nova York, aderiram ao programa IMAGE, acordo mútuo entre governo dos Estados Unidos e empresários para checar o status imigratório dos funcionários, informou a Polícia de Imigração (ICE) nesta quinta-feira, 29.

A parceria voluntária com a ICE e o Departamento de Segurança Interna (DHS) prevê desde 2006 que os empregadores submentam todas as informações dos trabalhadores a um sistema virtual de comparação de dados, o E-VERIFY, que revela o uso de documentos falsos e confirma a permissão de trabalhar no país.

As lojas de conveniência da 7-Eleven – FYN Management, Inc.; HYN, Inc.; YN 1, Inc.; 5th Avenue Wali, Inc.; e ZHSG – que aderiram ao programa empregam cerca de 60 funcionários em quatro locais de Long Island e um em Manhattan.

Em janeiro, a ICE fez uma operação em 98  pontos da 7-Eleven em Washington, DC e 17 Estados norte-americanos. Além de Nova York, Califórnia, Colorado, Delaware, Flórida, Illinois, Indiana, Maryland, Michigan, Missouri, Nevada, New Jersey, New York, Carolina do Norte, Oregon, Pensilvânia, Texas e Washington ficaram na mira das autoridades que prenderam pelo menos 21 imigrantes irregulares.

Entre as outras empresas que adotaram as medidas federais essa semana está a Greenman-Pederson, Inc. (GPI), com sede em Babylon, em New York, que administra 40 escritórios espalhados pelo país e realizam uma série de projetos que envolvem desde a construção de pontes e estradas até descarte de lixo entre outros serviços de infraestrutura, incluindo uma série de obras importantes como reformas na ponte George Washington.

As quatro subsidiárias da GPI – GPI Laboratories, Inc.; Underwater Engineering Services, Inc.; GPI Geospatial, Inc.; e Keller & Kirkpatrick, Inc – também devem seguir as regras do IMAGE.

Já a Compass Workforce Solutions (Compass), companhia de recursos humanas de Hauppauge vai estender o processo de verificação para arrolar os trabalhadores que disponibiliza para empresas de diversas empresas em Nova York e norte de New Jersey.

Segundo dados oficiais, atualmente mais de 750 mil empresas usam o E-VERIFY que se protegem, assim, de eventuais penalidades.

Entre outubro de 2016 e setembro de 2017, a ICE realizou 1.360 auditorias e prendeu 139 pessoas por crimes financeiros e imigratórios além de efetuar 172 detenções administrativas.

As operações condenaram as empresas a a pagar US $ 97,6 milhões em confisco judicial, taxas e restituições. Os empresários que caíram na malha fina desembolsaram ainda US $ 7,8 milhões em multas civis, de acordo com os registros da ICE.