Autoridades discutem fim da Columbia Gas em Massachusetts

LAWRENCE – Parlamentares do Congresso dos Estados Unidos participaram nesta segunda-feira, 26, em Massachusetts, de uma reunião discutir o futuro da Columbia Gas após as explosões no Merrimack Valley em setembro que deixaram um jovem morto e milhares de pessoas desabrigadas. O prefeito de Lawrence, onde ocorreu o evento e foi uma das cidades atingidas, pediu o fechamento da companhia no Estado.

Na audiência pública, as autoridades destacaram que tanto a Columbia Gas como a contratista NiSource, com sede em Indiana, falharam na prevenção de problemas que culminaram em três explosões e desencadearam uma série de incêndios. As chamas destruíram centenas de casas no dia 13 de setembro enquanto milhares de residências seguem sem fornecimento de gás em Lawrence, North Andover e Andover.

Segundo o Comitê Nacional de Segurança de Transporte, a Columbia Gas não implementou sensores de pressão durante uma troca rotineira de tubulação, recurso que iria detectar a super pressurização e evitar as explosões.

“Em cada passo do processo, havia uma chance de impedir esse disastre”, afirmou o senador federal de Massachusetts, o democrata Ed Markey. “Ao invés de escolher a segurança, vocês escolheram economizar. Ao invés de escolher a coisa certa, vocês optaram pelo mais fácil e o resultado foi um desastre”, disse aos executivos das empresas.

Já a senadora federal de Massachusetts, a democrata Elizabeth Warren, questionou se alguém havia sido demitido em consequência do incidente e apontou que a Columbia Gas tem sido responsável por uma série de vazamentos no Estado nos últimos anos.

“As pessoas dessa sala foram feridas, vocês não. Vocês continuam trabalhando recebendo altos salários e administrando os seus negócios”, disse Warren aos dirijentes das companhias. “Tomara para si a responsabilidade significa enfrentar o problema e não esperar para ver como outras pessoas podem lidar com isso”.

O prefeito de Lawrence, Daniel Rivera, defendeu que a Columbia Gas deveria ser proibida de operar em Massachusetts. “Não deveria haver uma segunda chance”, enfatizou.

A irmã de Leonel Rondon, de 18 anos, que morreu vítima das explosões disse que a dor da sua família não vai ser em vão. “Vamos lutar para que ninguém passe pelo o que estamos passando”, ressaltou Lucianny.

Joseph Hamrock, CEO da NiSource, e Steve Bryant, da Columbia Gas em Massachusetts, apenas disseram que seus funcionários estão fazendo o possível para restabelecer o fornecimento de gás total na área e há esforços para indenizar os residentes afetados em uma tragédia já estimada em US$800 milhões.

Milhares de pessoas passaram o Dia de Ação de Graças na última quinta-feira sem aquecimento e tiveram que improvisar para cozinhar porque não tiveram o fornecimento de gás reativado no tempo previsto. O novo prazo de normalização foi estendido para 6 de dezembro.