EUA: Zika afeta 5% de bebês de grávidas infectadas

EUA: Zika afeta 5% de bebês de grávidas infectadas

COMPARTILHAR

CHICAGO – O primeiro relatório sobre como o vírus da Zika afetou territórios dos Estados Unidos mostrou que 5 por cento das mulheres com infecções confirmadas tiveram filhos com malformações, informam autoridades de saúde dos EUA nesta quinta-feira.

O documento dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês) é o primeiro a incluir números oficiais de Porto Rico, que declarou na segunda-feira o fim da epidemia de Zika, com base em dados que mostram a queda no número de novos casos.

Os CDC reiteraram na quinta-feira a recomendação para que mulheres grávidas não viagem a Porto Rico, lembrando que a Zika continua representando um risco para grávidas lá e em qualquer outro lugar onde o vírus esteja ativo.

“O vírus da Zika representa uma ameaça séria para mulheres grávidas e para seus bebês, independentemente de quando a infecção acontece durante a gravidez”, disse a diretora interina do centro, Anne Schuchat.

“Mulheres nos territórios dos Estados Unidos e em outros lugares que tiveram exposição contínua aos mosquitos carregando o vírus da Zika estão em risco de infeccção. Nós precisamos continuar vigilantes e comprometidas em prevenir novas infecções pela Zika”, afirmou.

Além de Porto Rico, o relatório incluiu dados sobre 1.508 mulheres grávidas infectadas pelo vírus da Zika na Samoa Americana, nos Estados Federados da Micronésia, na República das Ilhas Marshall e nas Ilhas Virgens Americanas, do dia 1º de janeiro de 2016 até o dia 25 de abril deste ano.

Dessas mulheres, mais de 120, ou aproximadamente 5 por cento, tiveram filhos com malformações relacionadas à Zika, informou o centro em seu relato semanal sobre mortalidade e morbidez.

Entre as mulheres que foram infectadas durante o primeiro trimestre da gravidez, 8 por cento tiveram filhos com problemas associados à Zika. Comparado com 15 por cento em um estudo anterior sobre deficiências ao nascimento entre mulheres de Estados dos EUA e de Washington, que foram infectadas, na maior parte dos casos, durante viagens para países afetados pela Zika.

Aproximadamente 5 por cento das mulheres infectadas durante o segundo trimestre e cerca de 4 por cento das infectadas no terceiro trimestre tiveram filhos com deficiências relacionadas à Zika, mostrando que o vírus continua perigoso ao longo da gravidez.

LOGO

Comentários

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA